Total de visualizações de página

domingo, 13 de março de 2011

Samba Indevido

***

Renega quem pede um samba
Marcando o prazo de entrega,
O samba só nasce a esmo,
Quem marca o prazo é ele mesmo.

Um samba nunca é devido,
O parto dum samba é doído.
Ao sambista não se cobra
Pois samba não é dinheiro
Nem metro quadrado em obra.
Faz samba quem viu primeiro...

Ninguém hipoteca um samba
Não oferece em penhora,
Nem passa como muamba
Da Zona Franca ou de fora.

O cérebro é um ovo com prega
Na gema onde o samba manobra,
Mas o samba bom e que pega
É o que nasce na dobra.

₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪
Letra: josé do carmo (out/99)
Música: alexandre e roberito
Gravada no CD “Bar Paraíso”
Performance: alexandre

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.