Total de visualizações de página

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Mundo, Vasto Mundo!

***
Março, 2004


Décadas pelo Brasil se passaram com a esquerda lutando pela prevalência de um regime socialista que reduzisse as injustiças e as desigualdades sociais, através do controle do Estado, sobretudo sobre os meios de produção. O resultado foi um revide direitista de vinte anos de regime ditatorial, militar, para enxergarmos que os direitos formais eram importantes para aplacar arbitrariedades do poder e insubstituíveis na proteção dos direitos dos cidadãos.

Vindo a queda do muro de Berlim, em 89, o fim da União Soviética e a democratização do Leste Europeu, remanejou-se a ideologia socialista para a afirmação dos direitos da pessoa humana, para a defesa das minorias, para a reconstrução da cidadania, enfim, para movimentos sociais. Era a militância revolucionária se engajando na luta pela justiça.

Paradoxalmente, a Justiça – em sua acepção científica – arrostando o liberalismo, contabilizava conquistas em sentido aparentemente oposto, propugnando por maior intervenção do Estado em favor dos mais fracos, nas relações de trabalho, de consumo... Mas aí já é uma história para juristas.

Para além do Brasil, o mundo pós-segunda guerra, mais ou menos imerso nessas mesmas preocupações edificantes, parecia até um lugar seguro. Mas eis que de repente, alcançamos a derradeira década do Século XX com o surgimento de incertezas para consideráveis áreas do mundo, como URSS, África e Leste Europeu onde passaram a irromper problemas étnicos e políticos adormecidos.

À tempestade arenosa do Oriente Médio se junta a fuligem de duas torres gêmeas que vêm abaixo em Nova York, na contrapartida do que Afeganistão e Iraque – este segundo com sua segunda maior reserva petrolífera do mundo – transformam-se em protetorado americano... Instala-se no planeta um claríssimo e muito concreto desdobramento da nova pax americana.

Duas ocupações, com um precedente caribenho em Granada, talvez emprestem sentido às bombas francesas, sem pé nem cabeça, erguendo cogumelos em pleno período de distensão num atol do Pacífico Sul... Pode ser a França, consciente do novo momento histórico, delimitando espaços.

Felizmente, nesses movimentos condoreiros do xadrez mundial, a nós do terceiro mundo, vinham tocando não mais que cadeiras de pista. Mas eis que, a 19 de agosto de 2003, o embaixador brasileiro, Sérgio Vieira de Mello, morre tragicamente num atentado a bomba contra a sede das Nações Unidas, no Iraque. Um pouco antes, uma cidadezinha do sul do país parava para enterrar um anônimo pedreiro, desempregado, morto na Espanha, estúpida e aleatoriamente incluído como parte num acerto provisório de contas entre dominados árabes e dominadores ocidentais.

É quando ganha relevância o conceito de “importância” do Brasil no xadrez da política internacional. Até quando nós, brasileiros, continuaremos mais ou menos fora desse jogo perigoso? 


₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪
(Publicada no Jornal LEOPOLDINENSE de 31.03.2004)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.