Total de visualizações de página

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Leopoldina de 1916


***
Foto: Leopoldina, vista do Alto do Cemitério. Antiga Rua Riachuelo, Igreja do Rosário, no meio, à direita, apenas a ala direita do Colégio Leopoldinense construída, e, ao fundo, à direita, a velha Igreja da Matriz, que deu lugar à Catedral.
_________________

Para este 27 de abril de 2008 ocorreu-nos oferecer aos leitores do LEOPOLDINENSE, em especial àqueles que apreciam a história de nossa terra, um rápido passeio pela Leopoldina de 90 anos atrás. Uma Leopoldina dos cafezais em flor, das lojas de secos e molhados, da “Maria Fumaça”, dos homens de terno e gravata na Cotegipe, da velha Igreja Matriz com a Gruta de Lourdes à sua frente, do Grupo Escolar Ribeiro Junqueira na “Praça do Urubu”, do Colégio Leopoldinense ainda no modesto prédio em que nasceu, da Igreja do Rosário ainda não descaracterizada.

O município, com seus vários distritos, alguns hoje emancipados, tinha área de 2.400 km2, praticamente a mesma população atual, em torno de 50 mil habitantes, mas apenas 4.000 pessoas nas ruas da cidade. O meio rural era muito mais habitado que hoje.

Tudo isto porque a historiadora leopoldinense, Nilza Cantoni, acaba de levantar dados importantes da história de Leopoldina, a partir de um texto de Roberto Capri, páginas 237 a 262, da obra, “Minas Gerais e seus Municípios”, edição de 1916, por ela encontrado recentemente.

Na transcrição mantivemos a grafia do original, para que os leitores tenham o privilégio de “degustar”, da própria pena de Capri, as particularidades da Leopoldina de 1916.

Nilza Cantoni é uma historiadora infatigável, trabalhando diuturnamente no levantamento da história de nossa região e de sua gente. Mas é graças a uma outra virtude de Nilza – seu absoluto desprendimento autoral – que as pesquisas por ela feitas chegam ao conhecimento do público. Preferindo armazenar seus estudos, seus trabalhos e achados nas várias páginas que mantém na Internet, basta um telefonema nosso, como ocorreu agora, para vir uma resposta simpática de total desprendimento:
-Nilza eu gostaria de publicar isto no LEOPOLDINENSE.
-Publique imediatamente!

Vejam vocês, então, em trechos escolhidos, um pouco da Leopoldina de 1916 que Roberto Capri fotografou para nós e Nilza Cantoni acaba de revelar:

AGRICULTURA E PECUÁRIA

“Situado numa zona eminentemente cafeeira, o municipio é um dos mais prósperos da Matta. Os terrenos muito se prestam à pastoricia e os fazendeiros á elles se consagram com intelligencia. O sr. José Ribeiro Junqueira, por exemplo, proprietário da grande fazenda "Niagara," em Santa Izabel, tem conseguido desde 1912, mais leite na secca do que nas aguas, modificando um pouco as forragens e conseguindo o nascimento de bezerros na entrada da secca; duas grandes vantagens dahi lhe advieram : as leiterias pagam mais pelo leite nos mezes da secca e a mortalidade dos bezerros, evitadas as aguas e a lama, baixou de 20 a 5%.
Leopoldina foi o segundo municipio mineiro onde se instalaram banheiros carrapaticidas, cujos efeitos sobre o gado fazem-se sentir de maneira assombrosa. Ha no municipio, além das grandes installações da Leiteria Leopoldinense, duas fabricas de manteiga; uma na fazenda do Belmonte, Conceição da Boa Vista, de propriedade do sr. Cel. Theophilo Barbosa da Fonseca e a outra na fazenda da Independência, dos srs. Rezende e Barbosa, no districto de Thebas.

No ecclesiastico depende da archidiocese de Marianna. (...)

VIAÇÃO

O município é servido pela Leopoldina Railway, que corta os districtos de Providencia, Santa Izabel, Recreio, Campo Limpo, Leopoldina e S. Joaquim, havendo ainda as estações de S. Martinho e Vista Alegre.
Fazendo um ligeiro cotejo de algarismos, verifica-se que o municipio pagou de frete, pela exportação, a importância de 329:486$ e pela-importação a de 299:896$000, donde se vê que o frete daquella foi maior de 120:590$000. Isto vem attestar que a exportação foi tambem maior do que a importação, prova incontestável da prosperidade económica do município. Pelos dados acima, podemos calcular o valor commercial da exportação do município de Leopoldina, no anno de 1912, que attingiu, approximadamen-te, á cifra de 4.864:000$. Para essa importância concorreu em primeiro logar o café, com 2.350:000$; em segundo o arroz, com 806:000$ e em terceiro logar o leite, com cerca de 300:000$. A
linguagem clara e convincente dos algarismos fala expressivamente sobre o gráo de florescimento do município.
Na estrada de Thebas, cerca de um kilometro além de Leopoldina, começa a "Colónia Constança" cuja sede se acha na fazenda "Boa Sorte", a 8 kilometros da cidade. Esse núcleo colonial tem uma área de 2.034 hectares, quasi completamente cultivados.
Os colonos dedicam-se á cultura do milho, arroz, feijão, amendoim, mandioca, fumo, canna, café, cebolas, alho, etc., e á criação de gado vaccum, suino, cavallar, muar, caprino e de galinhas e perús. É provida de machinismos completos para canna mandioca.
Dispõe de escolas mixtas e de uma banda de musica, composta de colonos.

A CIDADE

A CIDADE Leopoldina é rodeada de um amplo amphitheatro de morros e colunas que caprihosamente a emmolduram. Assenta-se a cidade ao pé da Serra dos Monos e é cortada por um braço do ribeirão Feijão Cru. Possue ruas largas, rectas e bem alinhadas, sendo algumas macadamizadas, e diversos largos. Quem vem pela Leopoldina avista, ao alto de um morro, o bello edificio da Casa de Caridade, que attesta o amor do povo com todos os que soffrem.
Na rua Octavio Ottoni se admira o bello prédio da Câmara Municipal, com seu gracioso jardim. De frente ao Parque Felix Martins, surge o sumptuoso e elegante edificio do Forum, onde funcionam tambem as principaes repartições publicas, tendo ao seu lado direito a Cadeia e o quartel da policia. E, entre os outros edificios, destacam-se o Gymnasio Leopoldinense”, o melhor estabelecimento da Zona; o Theatro Alencar, de propriedade municipal; o Grupo Escolar; a Distribuidora Electrica; o Matadouro Municipal e outros. Os largos principaes são denominados: Felix Martins, com o seu maravilhoso e rico parque municipal; o Largo do Rosário onde ergue-se, toda branca e solemne, a egreja homonyma; o Largo Visconde do Rio Branco, onde acha se collocado o "Gymnasio Leopoldinense; o Largo Prof. Angelo; e, emfim, o Largo General Osório, onde acha-se a estação da Leopoldina, o Hotel da Estação, a Agencia Bancaria e a "Zona da Matta", sociedade anonyma de pecúlios. Deste largo parte a maior artéria da cidade - Rua Cotegipe.
É nesta rua que residem as principaes casas commerciaes, o theatro, o edifício da "Gazeta de Leopoldina”, Distribuidora Eléctrica, etc. Há ainda as ruas "1.° de Março", "7 de Setembro", iradentes" e outras situadas no aprazível bairro da Grama. Publicam-se na cidade, diariamente, a "Gazeta de Leopoldina”, fundada pelo Dr. José Monteiro Ribeiro
Junqueira, no mez de abril de 1895; e, semanalmente, o "Novo Movimento". No districto de Recreio publica-se "O Verbo». Ha um ground de foot-ball, e um rink.
O numero de prédios eleva-se a 500, e, entre estes, elegantes palacetes e confortáveis vivendas, como as do dr. Custodio Junqueira, do dr. José M. Ribeiro Junqueira, do senador Andrade Botelho, do sr. Ignacio Werneck, dos Irmãos Codo e dos irmãos Berbari. A cidade é servida por magnifica rede de aguas e esgoto ha pouco ampliada e modificada pela Camara. A lluminação é electrica, fornecida pela Companhia Força e Luz Cataguazes-Leopoldina cuja installação é das melhores da zona.
Os districtos de Providencia, Santa Izabel e Recreio, e o povoado de S. Martinho, são também illuminados a electricidade. A mesma Companhia é ainda concessionária da rede telephonica da cidade, que dispõe de igual meio de communicação para todos os districtos e as cidades limitrophes

INSTRUCÇÃO PUBLICA

Leopoldina se pode considerar a Athenas da Zona da Matta. A instrucção publica, principal propulsor da civilisação d’um povo é aqui largamente administrada, como attestam os seus estabelecimentos de ensino e a grande frequencia dos seus alumnos. Em primeiro logar temos: O Gymnasio Leopoldinense, com Escola Normal, Escola de Pharmacia e de Odontologia (...).

O Grupo Escolar “Ribeiro Junqueira”, (Nota do LEOPOLDINENSE: Este Grupo Escolar “Ribeiro Junqueira” funcionava em um prédio na esquina de Rua Tiradentes com Rua 7 de Setembro, indo da esquina até em frente ao Clube Cotubas) funccionando em duas turmas e com 8 cadeiras. O turno da manhã é frequentado por meninos, e o da tarde por meninas. A matricula do corrente ano (1916) é de 482 alumnos, sendo 255 do sexo masculino e 225 do feminino, com a frequencia média annual é de 320 alumnos. É seu director o Prof. José Barroso Lintz. No Grupo existe uma Caixa Escolar, cujo presidente é o Dr. Custodio Junqueira, para o fornecimento de roupas e merendas aos alumnos pobres. Todos os districtos são providos de escolas estadoaes, sendo algumas mixtas, outras do sexo masculino e outras do feminino. Existem tambem diversas escolas particulares e ruraes.

COMPONENTES DA ACTUAL CAMARA MUNICIPAL

Presidente, Dr. Custodio Monteiro Ribeiro Junqueira; vice-presidente, Cel. Raul Cysneiro Corte Real; vereadores: Pedro Ribeiro Arantes, Dr. Francisco Baptista de Paula, Cel. José Maria Cardoso, Olivier Fajardo de Paiva Campos, Major Francisco Fajardo de Mello Campos, Misael Furtado de Souza, Francisco Ribeiro Guimarães Junior, José Pereira Jesus Filho, Dr. José Joaquim Monteiro Bastos e Americo de Souza Almada; official da Secretaria, Pacifico de Alvarenga Paixão; procurador, Olympio Ribeiro Junqueira.

NOTAS RELIGIOSAS (Nota do LEOPOLDINENSE: Trata-se da velha Matriz)

A Matriz é consagrada a S. Sebastião. É esse um templo magestoso e solemne que eleva-se, ostentando ao céu a sua symbolica cruz, sobre bella e romântica eminência que domina toda a cidade, tendo na frente gracioso e lindo jardim com largas alamedas que cruzam-se entre si, um caprichoso repuxo d'agua, e no centro uma grande Cruz, symbolo de paz e de amor. O interior desta Matriz é ricamente decorado tendo estatuas de alto valor. No altar-mór erguem-se as estatuas do Coração de Jesus e de N. S. das Dores. Os altares lateraes são consagrados a S. Geraldo e S. Rita de Cássia e de frente ao Baptistério vêse Nosso Senhor dos Passos. A Gruta de Lourdes é maravilhosamente bella; visitando-a a alma se esquece dos prazeres fugazes deste mundo e se eleva ao Céu, toda absorvida em Deus. (Nota do LEOPOLDINENSE: Essa Gruta de Lourdes se situava próxima ao local onde hoje está o antigo chafariz em forma de taça, ao lado da escada da Catedral)

Esta Egreja, Casa de Deus, fica sempre aberta, noite e dia, e nella se pratica a adoração perpetua; todo o anno ha bênçãos com cânticos e grande solemnidade, e, 3
vezes por dia, rosario com todos os mystérios. Esse templo, o mais bello desta região da Matta, é ricamente iluminado por 103 lâmpadas eléctricas de 100 e 50 velas. As associações religiosas são: Damas do S. Coração das Filhas de Maria, Apostolado da Oração, os Amigos de S. José, e Conferencia de S. Vicente de Paula. A média annual dos baptisados é de 220, casamentos 70 e communhões 30.000. A aula de Catecismo é requentada por 300 meninos.
Outro templo é a Egreja do Rosário, no largo homonymo. É esssa egreja um mimo de belleza e de arte, toda branca e sorridente de amor e de caridade. ((Nota do LEOPOLDINENSE: que pena que já não seja!)

As decorações, em branco e ouro, são admiráveis, como assim a sua alta torre, o altar-mór de N. S. do Rosário, tendo á direita o S. Coração de Jesus e á esquerda S. Cecília. Bellas também as estatuas de S. José e de S. Benedicto. É vigário da Parochia Monsenhor Júlio Fiorentini, tendo como coadjutor o Rvmo. Padre João Manoel Trocado.

GYMNASIO LEOPOLDINENSE

Este modelar instituto de ensino primário, agricola, normal, secundário e superior, que é ao mesmo tempo um dos mais bem organisados centros pedagógicos do Estado de Minas Geraes, foi fundado em 3 de Junho de 1906, na cidade de Leopoldina, pêlos eminentes mineiros deputado dr. Ribeiro Junqueira e dr. Custodio Junqueira, directores geraes do estabelecimento.
A direcção technica e administrativa do Gymnasio Leopoldinense está confiada, desde principios de 1910, ao professor José Botelho Reis, uma das mais decididas vocações pedagógicas que temos conhecido,servido de sólido preparo em humanidades e que versa brilhantemente todos os assumptos referentes á educação, á methodologia, á pedologia, em que se tem especializado.
O Gymnasio Leopoldinense não é unicamente uma conquista patriotica e civilizadora destinada a circumscrever-se ao meio que a viu surgir e triumphar. É antes um dos mais bellos expoentes do desenvolvimento e aperfeiçoamento da instrucção mineira em todos os seus departamentos, effectivando esse moderno ideal pedagógico – a integralização do ensino e quasi realizando o do ensino universitário, a que chegará pois não devemos duvidar da energia, da persistência de acção do patriotismo e da competência dos beneméritos directores geraes do grande instituto e do seu incansável e illustre director technico, auxiliado brilhantemente por uma plêiade, selecta e distincta, de educadores seguramente affeitos aos labores profissionaes e á causa da educação, que em Minas vai apaixonando todos os espíritos e interessando os nossos estadistas.

O "Gymnasio Leopoldinense" tem por fim:
a) proporcionar á mocidade a educação indispensável ao bom desempenho dos deveres
do homem e cidadão;
b) preparar alumnos para exame de matricula em todas as escolas superiores da Republica;
c) formar professores para o exercício do magistério primário no Estado de Minas Geraes;
d) ministrar instrucção pratica e theorica ás pessoas que se propuzerem a profissão de
pharmaceutico ou a de dentista;
e) proporcionar a meninos pobres e desvalidos educação profissional e agrícola.

O Gymnasio mantém os seguintes cursos: primário, que comprehende: jardlm da infância e ensino de adaptação; secundário, em cinco annos de estudos; normal, de pharmacia e odontologia, commercial e agrícola.
O curso de adaptação e jardim da infância estão modelarmente organisados. No de
adaptação preparam-se os aluirmos para os cursos normal, secundário e commercial.
Curso secundário - Este curso tem por fim preparar alumnos, de ambos os sexos, para exames de matricula em todas as escolas superiores da Republica, e está organisado de accordo com os dispositivos da ultima reforma do ensino, - decreto federal n. 11.530, de 18 de março de 1915.
São as seguintes as disciplinas estudadas nesse curso: Portuguez, Francez, Inglez, Allemão, Latim, Italiano, Geographia geral e Chorogaphia do Brasil, Historia geral e especialmente do Brasil, Arithmetica, Álgebra, Geometria, Tiigonomelria, Historia Natural, Physica, Chimica, Lógica e Psycologia, Gymnastica e Evoluções militares.
examinadoras de preparatórios, de sorte que poderâo prestar, no próprio estabelecimento, todos os preparatórios, validos para a matricula em qualquer academia superior do Paiz.
Escola Normal - A Escola Noimal do "Gymnasio Leopoldinense", com as regalias concedidas pelo Estado de Minas (dec. 1.942, de 6 de Setembro de 1906), sob a forma de externato, é frequentada exclusivamente por alumnas, ás quaes é ministrada a educação intellectual, moral, physica e profissional, necessária ao preparo de professores primários com as qualidades indispensáveis ao magistério.
Este curso consta de 4 annos e está organisado de accordo com o dec. n.4.524, de 21 de fevereiro de 1916, e está sob a fiscalização do governo estadoal.
Comprehende o ensino de portuguez, francez, arithmetica, geographia geral e chorograpbia do Brasil, noções de cosmographia, historia geral e principalmente do Brasil, elementos de physica. chimica, historia natural, hygiene, pedagogia, instrucção moral e cívica, musica e canto, desenho e calligraphia, economia domestica e trabalhos manuaes, principalmente costura, gymnastica e exercício de pratica profissional - todo o ensino é ministrado por methodos e processos pedagógicos que facilitem a assimilação e promovam o esenvolvimento de todas as faculdades intellectuaes. Funcciona em prédio separado e contíguo ao do "Gymnasio Leopoldinense".
Escola de Pharmacia e Odontologia - A Escola de Pharmacia e Odontologia do Gymnasio Leopoldinense" é uma instituição de ensino superior destinada a ministrar instrucção pratica e theorica ás pessoas, sem distincção de sexos, que se propuzerem a profissão de pharmaceutico ou a de dentista.
Os exames prestados perante o Gymnasio e os diplomas por elle conferidos são validos em todo o Paiz e dão direito ao exercício das profissões de Pharmaceutico e Cirurgião-Dentista em todo o território da Republica.
Tanto o curso pharmaceutico, feito em 3 annos, como o odontologico, em dois annos, comprehende o estudo das matérias constantes do decreto federal n. 11.530, de 18 de março de 1915, ao qual está integralmente adaptado.
À Escola de Pharmacia e Odontologia do "Gymnasio Leopoldinense'' foi concedida, pelo Conselho Superior do Ensino, a fiscalisação federal.
A par do ensino theorico, a Escola de Pharmacia e Odontologia do "Gymnasio leopoldinense" ministra um curso pratico, perfeito e completo, de modo que seus diplomados, ao terminarem o curso, possam logo exercer condigna e conscientemente as respectivas profissões.
Curso Commercial - Destinado ás pessoas que se propuzerem a carreira commercial, este curso comprehende, além das matérias ao mesmo necessárias e leccionadas no curso secundário, o ensino de escripturação mercantil, economia política e direito constitucional e commercial.
Aprendizado Agrícola - O Aprendizado Agrícola do Gymnasio Leopoldinense, fundado e mantido pelo "Gymnasio Leopoldinense, tem por fim formar trabalhadores aptos para os diversos serviços da lavoura, de accordo com as modernas praticas agronómicas.
Funcciona sob a forma de internato e nelle estão recolhidos filhos de operários agrícolas e de pequenos lavradores, e de preferencia, os menores desprovidos de assistência natural, que recebem instrucção primaria e ensino primário agrícola, bem como educação physica, moral, cívica e intellectual.
O ensino agrícola tem um cunho pratico, completando-se por noções theoricas elementares, ministradas durante os trabalhos a que ellas se referirem, como meio de esclarecer e guiar os alumnos para execução dos differentes serviços.
O Aprendizado Agrícola do Gymnasio Leopoldinense é localisado em uma propriedade rural distante 2,5 kilometros da cidade de Leopoldina.
A administração geral do Aprendizado pertence á do "Gymnasio Leopoldinense", que mantém á sua frente um profissional competente, auxiliado por professores e mestres de culturas e oficinas.
Este curso é grátis, e todas as despezas dos alumnos são custeadas pelo Gymnasio.
O "Gymnasio Leopoldinense" funcciona em prédios próprios, os melhores da cidade de Leopoldina, reunindo todas as condicçôes de hygiene e conforto, sendo servidos por irreprehensivel rede de agua e esgotto e illuminados fartamente, a luz eléctrica.
O mobiliário e material escolar são de primeira ordem e de accordo com as exigências da pedagogia moderna.
O professorado é de reconhecida competência, com grande tirocínio do magistério, dispondo, para o ensino das sciencias e linguas, de todo o material necessário, como sejam - mappas, quadros, amostras, modelos, gabinete de physica, laboratório de chimica, museu de historia natural, laboratório de pharmacologia. bromatologia, microbiologia, chimica
analytica, gabinete odontologico, oficina de prothese, pavilhão de anatomia, toxicologia, etc.
A alimentação é sadia e abundante e tomada conjunctamente com todo o pessoal administrativo. O Gymnasio mantém um medico para inspecções medicas dos alumnos internos.
O "Gymnasio Leopoldinense: foi equiparado ao Gymnasio Nacional pelo dec. federal n. 7.193, de 29 de novembro de 1900, e ás Escolas Normaes do Estado de Minas Geraes, pelo decreto estadoal 1.9-12, de 6 de setembro de 1906.
O Conselho Superior do Ensino concedeu fiscalização á Escola de Pharmacia e odontologia, fundada em 17 de janeiro de 1912, em sua sessão de 31 de julho de 1916.

“ZONA DA MATTA” (Nota do LEOPOLDINENSE: trata-se de uma companhia construtora)

A companhia “Zonna da Matta” foi fundada a 31 de julho de 1911, pelos srs. Dr. José Monteiro Ribeiro Junqueira, dr. Francisco de Andrade Botelho, dr. José Tavares de Lacerda, dr. Gabriel Monteiro Ribeiro Junqueira, dr. J. J. Rodrigues dos Santos, dr. Aristides Sica, dr. Elpidio de Lacerda Werneck, d. Abel Tavares de Lacerda, dr. Francisco Baptista de Paula, dr. Custodio Monteiro Ribeiro Junqueira, Raul Cysneito Côrte Real, Alberto de Castro Lacerda, Marco Aurelio Aurelio Monteiro Monteiro de Barros, Roque Domingues de Araújo, José Botelho Reis, José Ribeiro Junqueira, António de Andrade Ribeiro, Joaquim Candido Ribeiro, Antonio Monteiro Ribeiro Junqueira, Olympio Ribeiro Junqueira, Domingos Ribeiro e Emílio Hirsch.
Extraordinário é o desenvolvimento que tem tido a companhia. Fundando uma sucursal na Capital, entregou-a á segura direcção do sr. dr. Leon Roussoulières, o qual, auxiliado pelo sr. dr. Antonio de Andrade Botelho, deu-lhe o maior incremento possivel, sobretudo na parte referente a construcções. A "Zona da Matta" até o anno de 1913, em dois annos apenas, entregou já a seus associados, 35 casas tendo ainda para cima de 70 em construcção, concorrendo assim poderosamente para o constante progresso da Capital.
A "Zona da Matta" concluiu também construcções em Cataguazes, em Rio Branco e S. João Nepomuceno. (...)
Nos baixos do edifício da "Zona da Matta", em Leopoldina funcciona a Agencia Bancaria, dos srs. Ribeiro Junqueira, Irmão & Botelho, creada em 1912, sendo relevantes os auxílios que vem prestando ás industrias, á lavoura e ao commercio, em geral.
COMPANHIA LEITERIA LEOPOLDINENSE (Nota do LEOPOLDINENSE: possível precursora da atual LAC)

Duas são as installações da Leiteria Leopoldinense: uma na estação de Santa Izabel, dotada de camara frigorifica, destinada á congelação e exportação de leite e gelo, inaugurada em 1910; outra, na cidade de Leopoldina, com vasta camara frigorifica e apparelhos completos para a fabricação de manteiga, queijo, gelo e latas, inaugurada, em 1911.
Ambas as installações foram feitas pela casa Arens & C., acham-se em prédios construídos especialmente paia esse fim, e importaram em 240:000$000.
A Leiteria mantém um deposito no Rio, á rua da Quitanda n. 63, tendo ainda desnatadeiras em vários pontos do município.
Grande foi o incremento que, no município, deu á industria pastoril a creação da Leiteria Leopoldinense. Basta observar que, por occasião de sua inauguração, a Companhia, em ambos os estabelecimentos, recebia 8.000 litros de leite, diariamente.
É Director-Presidente da Companhia Leiteria Leopoldinense o sr. Antonio Monteiro Ribeiro Junqueira e Director-Thezoureiro o sr, Antonio de Andrade Ribeiro.
Aos esforços desses dous cavalheiros deve, em grande parte, a Leiteria Leopoldinense, o seu florescimento, que cada vez mais se accentúa.”
₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪
(Com supressão de algumas citações de menor relevância o texto acima foi extraído por Nilza Cantoni de: CAPRI, Roberto. Minas Gerais e seus Municípios. s.l., s.n.; 1916 p. 237-262)
(Publicado no jornal LEOPOLDINENSE de 30 de abril de 2008)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.