Total de visualizações de página

sábado, 7 de novembro de 2009

Duas notas para a Gazeta de Leopoldina

***
Agosto, 2003

I - VIDA INTELIGENTE NO PLANETA MARIPÁ

Prefeitura e Câmara Municipal de Maripá conferiram, a 20 de abril, deste ano, o título de Cidadão Honorário ao historiador leopoldinense, José Luiz Machado Rodrigues, na oportunidade do lançamento de seu Livro “MARIPÁ DE MINAS E REGIÃO”, obra que encerra um estudo histórico daquela região da Zona da Mata, desde a ocupação pelos primeiros desbravadores dos Sertões do Leste.

José Luiz é um estudioso entusiasmado da ocupação da Mata Mineira, já tendo publicado nesta Gazeta vários artigos em colaboração com a também historiadora, Nilza Cantoni, sobre surgimento e desenvolvimento da colônia italiana em nosso município.

O lançamento da obra histórica de Maripá teve o apoio irrestrito da Secretaria de Educação e Cultura daquela cidade e o empenho direto do Prefeito Walter Trezza.

II - A CURVA DO TIMBIRA

Em número recente desta Gazeta José Antonio M. Rodrigues escreveu bela crônica sobre uma cruz antiga existente na “Curva do Timbira”. Trata-se daquela curva perigosa, da BR-116, situada a poucos metros da entrada para a Boa Sorte.

Pois bem, a tal cruz - que não está mais lá - era pontuadora de algum grande acidente com morte ali ocorrido antes de 1950. Daquele tempo até hoje, as mortes prosseguiram, às dezenas, às centenas. Mais de meio século de assassinatos impunes.

No sábado, 21 de junho, último, tombou por lá uma enorme carreta. Uma semana depois, sábado 28 de junho, outra carreta. Há não muitos meses atrás, um casal e filha, ali perderam a vida. Por último, nosso amigo e conterrâneo Louro (Epenor Neto da Silveira) e esposa, Shirley Pereira da Silveira, também faleceram em acidente automobilístico naquele infausto local.

Se existissem estatísticas, certamente comprovariam incidência de acidentes semanais naquele trecho, com prejuízos enormes, lesões sérias e vítimas fatais.

Diante de tantas tragédias, nada mais que uma placa padrão, em frente à PREARCON, de “reduza a velocidade”.
Não precisaria fazer outra coisa o advogado que abrisse escritório no local, especializando-se apenas no art. 927 do Novo Código Civil, para levar o D.N.E.R./D.N.I.T. à Justiça por todos os acidentes daquela curva, com ou sem vítimas fatais.
₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪
(Publicado na Gazeta de Leopoldina de agosto de 2003)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.