Total de visualizações de página

sábado, 6 de novembro de 2010

Papo Esticado

***

Novembro, 2008



Li nos jornais sobre "História e arte nos cemitério". Um achado! Realmente nos cemitérios, nas igrejas, nos monumentos e nas construções antigas, além de apreciar o gosto, a cultura e a arte de nossos antepassados, podemos ler um pouco mais do que sobre eles trazem os livros, as fotos, os filmes.

O caderno de turismo do Estadão anuncia passeios organizados, com guia e tudo, a cemitérios, como o da Consolação, em São Paulo, e o São João Batista, no Rio. E não brinquem que é “turismo de paulista”, não.  

No mundo inteiro os campos santos vão ficando cult. Endereço dos mais visitados desse roteiro macabro talvez seja a Capela dos Ossos, em Évora, Portugal, onde ossos de uns cinco mil mortos decoram paredes e colunas da capela situada na Igreja de São Francisco.

Na entrada, o recado: “Nós, ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos”.

*****

Aliás, fragmentos de história podem ser garimpados por todos os lados. Há dias a historiadora Nilza Cantoni mencionou que certo personagem do passado interiorano mineiro “não parecia ser pessoa muito comunicativa”. Perguntei-lhe de onde extraíra tal conclusão.

– Dos livros de Registros de Batizados, de nossas igrejas – explicou.

Pessoas mais abastadas de antigamente, mais instruídas, mais importantes, sempre aparecem nos registros de batizados como padrinhos de muitas crianças. Ora, se um personagem histórico, sabidamente importante e rico, foge à regra, algum problema de comunicabilidade social ele tinha. É claro que a conclusão nunca é absoluta, mas o fundamento procede.

*****

Alá, porém, é mais lógico. Sempre que a ciência dá algum passo maior no sentido da compreensão do universo, o ateísmo tenta soletrar alguma “prova” da inexistência de Deus. Agora mesmo, cientistas com aceleradores de partículas dentro de um túnel nos Alpes franco-suíços, em busca da origem da matéria, suprem de argumentos os ateus de plantão. Alegam estes que, se ficar provado que o big bang deu origem à matéria, o universo “não precisou” de um Deus para criá-lo, sendo tudo obra da explosão...

Parece complicado para eles distinguir entre o Criador e as ferramentas usadas pelo Criador.

De saída, se resultar mapeada a origem física da matéria, ficará faltando provar a origem física do espaço sideral por onde toda a massa se expandiu e o sopro de vida que passou a animar os seres.

Limitado diante da criação, o ser humano tem do universo uma ideia só um pouquinho mais ampla que a de um coleóptero da Mata Atlântica.

*****

A limitação nos tortura. E a tortura dos anos de chumbo volta à ordem do dia. Especulam se a tortura é imprescritível, enquanto crime contra a humanidade. Os que defendem os torturadores do DOI-Codi, alegam que eles torturaram terroristas, igualmente beneficiados pela anistia. Logo, o perdão há de ser recíproco. Será?

Há dias uma revista semanal mostrou foto de Fernando Gabeira ao lado de Valerie Elbrick, filha do ex-embaixador americano no Brasil, Charles Elbrick, sequestrado no Rio de Janeiro, em 1969, por um comando guerrilheiro do qual Gabeira fez parte. 

A moça declarou ao New York Times: “Gabeira é um homem encantador e, se eu não estivesse trabalhando pelo Obama, provavelmente estaria trabalhando por Gabeira”... “Eles eram pessoas idealistas. Meu pai se deu conta que não estava lidando com bandidos. Eram jovens inteligentes que, no fundo do coração, eram gente pacífica.”

Ou seja, seres humanos podem refletir sobre dores passadas, sem mágoa, sem ódio e até com compreensão, quando os fatos se circunscrevem a uma realidade humana.
Cabe então perguntar: 

– E o torturador, poderá ele encarar o filho ou a filha de um torturado? Semelhante "momento de humanidade" seria viável entre um torturador e um filho de torturado?

Claro que não. E por uma razão básica:
Torturador não é gente. Torturador é bicho, é aberração animal.

₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪
(Publicado no jornal LEOPOLDINENSE de 15 de novembro de 2008)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.