Total de visualizações de página

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Minha Cidade

***

Tu raiaste manhã iluminada
o despertar gentio, porém cidade
Ateneia ungida num poema de domingo.
Os primeiros raios de sol te brindaram as serranias
no instante inaugural em que o encanto se exprimiu possível.
Árvores nos bosques providenciaram sombras acolhedoras
e as flores silvestres bendisseram à brisa
bálsamos requintados.
Correntes nos riachos se detiveram em limpidez de espelho
restituindo à delicadeza dos céus
os gestos seminais da flor recém surgida.
Bênçãos de luz velavam a tepidez dos ninhos
e a brisa confiava à folhagem e aos ramos
segredos bons de guardar.
Vagas de pétalas compassivas cobriram teu chão
mantilha de astros
nas vertentes, nos flancos e nas brenhas.
Pássaros canoros trinavam mil acordes
na clave retorcida dos galhos.
Deus há de ter visto que tudo era bom
porque decretou, em seguida, de primavera todos os teus dias
e de luar todas as noites.
E que todos os caminhos que de ti partissem
levassem à felicidade, por todos os tempos
até que os tempos se cumprissem.

*************

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.