Total de visualizações de página

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

A faquinha do Jeca


***
Era domingo, dia final da Exposição Agropecuária da cidade mineira de Santana da Piedade. Na praça principal algumas pessoas presenciavam o embarque dos animais expostos, de volta às suas respectivas fazendas. Proprietários rurais e tratadores, orgulhosos de seus touros, de suas vacas e de seus cavalos, procuravam acomodá-los com desvelos de enfermeiros nos caminhões adaptados ao transporte dos preciosos puro-sangue.
Carlinhos de Abaíba, fazendeiro tão abastado quanto apaixonado por seu gado, ostentava no próprio cangote a reluzente medalha de ouro, suspensa por uma fita amarela e verde, que no dia da premiação foi deferida ao pescoço de seu campeoníssimo touro, Baobá.
Boi “esquentado” na presença de muita gente – dizia − Baobá pode irritar-se e danificar o troféu numa cabeçada azarada. Orgulhoso de seu Nelore, Carlinhos se gabava de como acabara de recusar quatro milhões de reais pelo campeão.
− O Gaúcho realmente me ofereceu quatro  “pernas” pelo boi, mas eu disse pra ele: “Quatro milhões de reais, meu amigo, é boa grana. Dinheiro grosso, sim, mas é fortuna que muita gente, por aí, possui. Já um touro como o Baobá, nesse Brasilzão de meu Deus, só eu posso dizer que o tenho! E vou continuar dono dele.”
Assim, com a altivez dos ungidos, seguia na assistência ao embarque de seu portentoso exemplar, o qual, naquele instante, regateava um pouco ao esforço dos peões de fazê-lo galgar a rampa de madeira e entrar no acolchoado caminhão-baú que o levaria de volta às suas fêmeas de elite.
− Vamos, Baobá! Ôôôô! Sobe, Baobá! Sobe, Baobá!… Justo nesse momento crítico do embarque, eis que um vira-latas de rua, julgando-se convocado pelo vozerio de homens com os quais sua espécie é solidária há quatorze mil anos, resolve desincumbir-se de sua missão no mundo, que, naquele instante, seria “ajudar” os boiadeiros. Parte para cima do colossal zebuíno com rosnados e latidos arrogantes, indo aplicar uma dentada bem no prepúcio róseo do Baobá.
Ah, pra quê! O touro entrou em dia de fúria. Arrebentou o cabresto, jogou a volumosa carcaça vacum sobre o frágil cercado que guarnecia o embarcadouro e, liberto, estourou, enfurecido, pela praça. Meninos subiam nas árvores, homens e mulheres se refugiavam nas casas, entalando-se portas adentro. Um Deus nos acuda. O largo central de Santana da Piedade ficou às moscas.
Apenas, no meio da praça, sentado sobre o ornato histórico de um antigo carroção de madeira de quatro rodas, um homem magro de pele tostada, chapéu surrado, camisa xadrez, calça cáqui e botina chapiscada de esterco – alheio a tudo − preparava seu cigarrinho de fumo de rolo. A palha de milho já aparada, atrás da orelha, esfarelava ele as fibras do tabaco na palma da mão, com sua indefectível faquinha de ponta presa entre os dedos.
Bufando e correndo em círculos, cauda recurvada para cima, o touro enfurecido não demorou muito a dar com o apalermado cidadão e partir para cima dele. Coitado do Baobá! Sabia pouco de matuto mineiro. Levantando as pernas para livrá-las das poderosas aspas do animal, o roceiro jogou-se para trás, deixando a madeira lateral do pesado carroção livre para a poderosa testada do Baobá. O bicho chegou a cambalear, acusando a pancada.
A segunda investida viria mais raivosa. O jeca, porém, já rolara para debaixo do carroção, agarrando-se ao eixo de ferro roliço, de tal sorte que, para onde fosse aquela geringonça ao sabor das cabeçadas do Baobá, para lá também iria ele, inteiramente protegido.
A fúria do animal  parecia aumentar. Ávido por alcançar o tinhoso tabaréu debaixo da carruagem, passou o touro a aplicar chifradas sob ela, ameaçando virá-la de rodas para o ar. Não imaginava o boi que, ao abaixar demais a cabeça, oferecia ao “inimigo” o ponto nevrálgico por onde todo boi morre nas arenas hispânicas e nos matadouros do mundo: a nuca. O erro lhe seria fatal.
Numa arremetida dessas a faquinha do jeca espetou de morte a nuca do Baobá, que, para desespero do dono, aquietou no chão suas vinte e oito arrobas de carne de primeira. Mortinho da silva.
Carlinhos de Abaíba, num alpendre fronteiriço, ameaçou perder o fôlego e teve que ser abanado com chapéu de palha. Adeus, filhotes de alto pedigree! Quinhentos  reais para cada cobertura de vaca no cio, nunca mais! E os quatro milhões recusados ao Gaúcho, ali estendidos no chão em cotação de açougue!
Quando o matuto saiu de sob o carroção a plateia pôde constatar que não se tratava de nenhum atleta. Meio corcundinha, de certa idade, até mancava da perna direita − possível artrose sexagenária. E foi manquitolando que ele se dirigiu à parte traseira do Baobá, segurou firme com as duas mãos a vigorosa bolsa escrotal do aristocrático reprodutor, esticou-a o quanto pôde e, bem rente ao corpo do bicho, decepou-a com a faquinha de ponta.
Dirigindo-se à assistência, abriu um sorriso falho nos dentes e deu testemunho da simplicidade perigosa em que Baobá se danou:
-Vou levar a borsa dele. Se inxiste uma coisa que eu apricêio dum tanto é testico de boi, greiado no fogão de lenha.
₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪                                                                                                                          (Publicada em http://www.bloghetto.com.br/ a 22.02.2013)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.