Total de visualizações de página

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Político pra Cachorro

***
Setembro, 2011

Tido como certo que nenhum político é capaz de dizer uma verdade por inteiro, não deve existir no mundo coisa mais tediosa que uma reunião de políticos. Sem falar que dali resultam, quase sempre, acertos escabrosos que passam ao largo do que realmente importa, que seria o interesse dos cidadãos supostamente por eles representados. Azar da democracia onde as escolhas são feitas nas urnas por um povo incapaz de entender o que vê e o que ouve.

Exato o caso da cidade mineira em que certa reunião partidária incluía na pauta a estratégia oposicionista para evitar a reeleição do prefeito, um populista safado, mas bom de palanque que só ele. Tarefa dificílima. O homem levava a termo um mandato bem avaliado pela imprensa cupincha, apontando as pesquisas para sua, quase certa, “recondução ao cargo”.

A opção dos adversários foi pela ênfase na única medida polêmica adotada pelo alcaide na administração findante, qual fora o sumiço dado à cachorrada que perambulava pelas ruas do centro da cidade. Aliás, “uma vergonha” − era o clamor geral − aquela matilha de cães em trote pelas calçadas, entrando nos Bancos, nas Farmácias, nas Igrejas, para demérito do requinte urbano e até desconforto do pudor público nos episódios explícitos do namoro canino em comitiva.

À falta de estratégia mais digna, decidiu-se por escancarar nos palanques o apelido escrachado que vinha sendo atribuído (ainda a boca pequena) ao "algoz dos indefesos animais"... Em lugar de Toninho da Matilde, seu nome de guerra (referência à genitora dele, primeira taxista da província), toda a oposição passaria a referir-se publicamente a ele como “Toninho Cachorro”.

Tipo do apelido que pega e, diga-se, pegou. Só que sabido não morre de véspera e a resposta também viria pelos palanques e pelo microfone da Difusora local. Sintam o estrago:

- Pois é, amigos, eles descobriram que sou cachorro. Desejo, entretanto, aqui, de público, concordar com os meus pretensos detratores e agradecer o apelido que me atribuem. Eles estão certos! Quando Deus criou o mundo e distribuiu individualidade aos bichos, presenteou o cachorro − esse fiel companheiro que acompanha o homem sobre o planeta há mais de cem mil anos − com uma índole superior. Índole que poderia ser exemplo da afeição absoluta, da verdadeira lealdade e dedicação que os seres, ditos humanos, deveriam guardar por seus semelhantes.

Outra coisa não tenho feito à frente dos destinos desta terra, que não seja a canídea submissão a meu povo, a cega fidelidade ao voto dos que me honram com sua escolha! Serei sempre – proveja Deus! − o dedicado cão de guarda de todos vocês, os verdadeiros donos do poder, que são as mulheres e os homens desta cidade abençoada!

Administrar não é trancar-se no ar condicionado como um gatinho angorá de fita no pescoço. Ao contrário, é campear pelos bairros como um vira-latas; demarcar a área de atuação para melhorias efetivas; ser cão vigia das obras em andamento; sentinela da saúde dos menos favorecidos; é latir alto para horror dos que se opõem aos interesses de nossa gente.

Se meus concorrentes querem ganhar o respeito do povo, que não se estiquem, dorminhocos, em seus gabinetes a catar pulgas com os dentes. Venham para as ruas aprender comigo a ser cão andarilho à caça de solução para o drama das famílias pobres; venham aprender a ter faro para o futuro de nossas crianças desnutridas; visão aguda para as angústias dos doentes e dos velhos... Venham colocar a língua para fora no trabalho... Venham mijar (sim!), venham mijar comigo em cada poste que plantei em nossas comunidades esquecidas e sem luz!

Podem me chamar de Toninho Cachorro. É uma honra ser comparado a tão nobre animal. Só peço a vocês que, ao colocarem seus votos na urna, não esqueçam:

– Quem tem um cão tem um amigo! (Palmas, palmas, palmas...)

Viu. Vá mexer com quem dá nó em filete d’água na bica.

₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪
(Publicado em 08.09.2011 em http://oglobo.globo.com/pais/noblat/mariahelena/)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.