Total de visualizações de página

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Pais e Filhos

***
Abril, 2011

O noticiário desses dias registrou um caso incomum. Lauro Borges, cidadão de Botucatu, SP, ligou para o serviço de emergência da Polícia Militar de sua cidade pedindo para ser preso. A polícia, que não existe para efetuar prisões a pedido, informou que Lauro Borges carrega antecedentes criminais, mas “queria ir para a cadeia para ficar com seu filho, detido na semana anterior por extorsão e roubo de celular”. Ou seja, conhecedor das indignidades carcerárias o pai desejava ir para lá proteger o filho.


Tanto assim que, diante da recusa da polícia a prendê-lo sem motivo legal, tratou logo de fornecer um. Pegou o automóvel, saiu para rua, e o arremessou contra a primeira viatura policial que viu estacionada. Levado à delegacia, procurou garantir ainda mais sua prisão dirigindo palavrões aos policiais. Conseguiu o que queria: foi preso em flagrante delito por embriaguez ao volante, dano ao patrimônio público e desacato.

Se a polícia não fizer o favor de levá-lo para casa de detenção diversa daquela em que está seu filho, o moço estará a salvo de estupro e outras violências.

Este drama real me chamou a atenção porque a vida já me oferecera uma edição inversa da mesma situação. Ou seja, um filho extremoso engendrando fórmula – no caso, lícita – de estar no presídio na companhia do pai, condenado. Vejam só.

Na localidade mineira de Cruz da Ponte – lá se vão uns quarenta anos – certo chefe de família, trabalhador e honrado, teve a infelicidade de ver-se responsabilizado pela morte de outro ser humano que o destino, aleatoriamente, lhe colocou no caminho. Trocando em miúdos, um homem bom teve a desventura de tornar-se assassino de um homem mau. As circunstâncias que levaram o homicida ao homicídio não vêm ao caso.

Sentado ao lado da mãe no Tribunal do Júri, o filho do réu, rapazinho de 16 anos, ouviu os duros – embora justos – termos da sentença que privaria seu pai da liberdade por longo tempo. Terminado o julgamento, ainda com a mãe, seguiu a escolta do preso pelas ruas do pequeno lugarejo até o presídio onde o carcereiro trancafiou seu pai numa cela.

Observou o rapaz que naquele momento os detentos almoçavam e outro jovem, que prontamente reconheceu, aguardava num banco do corredor a devolução das marmitas vazias. Concluiu, num átimo, que a pensão de Da. Júlia, mãe do garoto, fornecia as refeições dos presos. 

No dia seguinte, bem cedo, o filho do condenado da véspera, dirigia-se à pensão de Da. Júlia para oferecer-se, gratuitamente, a levar as marmitas dos presos. Nada escondeu da boa senhora: seria aquela uma maneira de estar com seu pai todos os dias... Ela nada precisaria pagar.
– E suas aulas, meu filho, como ficam?
– Hora do almoço, Da. Júlia, haverá tempo de sobra e eu tenho uma bicicleta.

Assim aconteceu. Durante todo tempo de custódia do pai, raro foi o dia em que o filho com ele não estivesse, levando-lhe as refeições.

Deu-se, ao mesmo tempo, que muito simpático e prestativo o “menino das marmitas” acabou por fazer amizade com os funcionários da detenção, os quais passaram a solicitar-lhe pequenos serviços burocráticos nas horas vagas. Aprendeu a lidar com processos, datilografar, ir a Cartórios, frequentar o Foro etc. Tomou gosto por tudo aquilo e, na vez de optar por um curso superior, não teve dúvida: seria advogado.

É como a história termina. Graduado em direito, a inteligência e o estudo fizeram dele um grande jurista, um autor respeitável. Não o vejo há anos, senão pelos livros que publica. Tenho dúvida se o pai ainda vive, mas certamente terá cumprido uma pena bem menos sofrida que a prevista na sentença. 

₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪
(Publicada em 31.03.2011 no Globo Online, Blog do Noblat/Maria Helena/)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.