Total de visualizações de página

segunda-feira, 21 de junho de 2010

A Bola da Copa


***
Foto: Bola Adidas, tipo JABULANI (Internet)

Nós, brasileiros, acostumados a vencer sempre, ou quase sempre, somos exigentes no futebol. Só aceitamos vitória. Mesmo quando nosso time não é o melhor, coisa que temos muita dificuldade para enxergar. Não estou dizendo que seja o caso, agora.

Já vimos que a Itália tem um bom time e a Alemanha também. O Brasil jogou uma partida insossa contra a fraquinha Coréia do Norte e ainda levou um gol, apesar de vencer por dois a um. Mesmo assim não nos conformamos que Itália e Alemanha possam estar, de fato, melhores. Parecem melhores, mas, no fundo, nossa fé é que as aparências nos estejam enganando e que, na hora certa, o Brasil prove que é o maioral e saia campeão pela sexta vez.

Até aí, nada errado: somos torcedores. E, torcedor, não tem compromisso com as obviedades. Mesmo porque, no futebol, o óbvio é muito relativo. O Kaká, por exemplo, é um craque óbvio, mas nesse primeiro jogo, contra a Coréia do Norte, não fez nada mais que ocupar o lugar de alguém que por ali jogasse pelo menos o feijão com arroz de um reles come-e-dorme. Que o Senhor dos crentes não permita a volta da lesão no púbis que obsedou nosso craque meses atrás.

Agora, sacal mesmo são as tais de vuvuzela, vocês não acham? Quem teve a idéia daquela coisa, meu Deus! Imaginem que já tem rede de televisão oferecendo transmissão com filtro para reter o pandemônio acústico das irritantes cornetas. São os mitos artificiais da expressão popular criados pela beócia midiática. Não, não, menos. Aí eu já estou pegando pesado.

Mas a bola “jabulani” é dureza! Outra invenção de moda. Quem, infeliz, terá parido aquela “coisa” e convencido os organizadores da Copa a adotá-la? É complicar, de graça, a vida de dezenas de atletas impondo-lhes de véspera um “objeto de trabalho” com o qual eles não estão familiarizados. Para quê? Qual o proveito? Tática promocional para o fabricante ganhar hexalhões de dólares na venda mundial do apetrecho? Só pode.

O resultado é o que vemos. Já nos primeiros jogos, dois goleiros foram grotescamente traídos pela trajetória ou pelo tempo da bola. Atletas não conseguem cobrar direito um escanteio. O “levantamento” passa batido sobre o fuzuê da grande área, para sair na lateral oposta. Dezenas de passes errados, evadidos pelas laterais; lançamentos em profundidades agudas, que nem alas alados conseguiriam alcançar... Não dá!

Fico imaginando se o objetivo não seria o nivelamento por baixo, dos contendores, como acontece na Fórmula 1, onde a superioridade avassaladora de um carro (ou de um piloto), passa a exigir mudanças para re-equilibrar a farsa do “circo” . É claro que uma bola de “comportamento” diferente, diminui a distância entre quem sabe jogar e quem não sabe. Tomara que não apareçam com uma bola oval! Aquela que o Armando Nogueira dizia “não ser bola, ser maldição”...

A queixa não é minha, não. Quando jovem, na minha roça profunda, fui um “player” apenas esforçado, em time de fazenda. A bronca é de quem sabe o que fala. O “gol-quipa”, Júlio César disse que se trata de uma bola “horrorosa”. Já o “centrefor”, Luiz Fabiano, e o “arfo”, Júlio Batista, informam que ela ganha trajetória imprevisível após o chute, fazendo “roscas” não encomendadas.

Tem gente que gosta de complicar, não é mesmo. No caso do introdutor dessa bola “jabulani”, só pode ser alguém que não gosta de futebol.
₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪₪
(Publicada a 17.06.2010 em http://oglobo.globo.com/pais/noblat/mariahelena/)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.