Total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Maria Sumiu

***

Faz tempo, passou Maria
Em frente à minha janela,
Eu que sempre falo em versos
Em versos não falo nela.

Meu fraco é falar de mar,
Falar de espera e de mágoa,
De lágrimas de se afogar
Como a lua dentro d’água.

Maria foi uma vaga
Em noite sem lua cheia,
Tudo indica que no escuro
Maria virou sereia.

*******

2 comentários:

  1. Oi Zé. Gostei muito do seu poema e estou me deliciando com as crônicas.Um abraço. Até já copiei uma, se não se importa, para uma aluna q me pediu uma crônica sobre Leopoldina. Glória

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Glória.
    Minhas croniquinhas e meus poemetos é que ficam valorizados com a aprovação da notável artista plástica leopodinense, Glória Maria de Azevedo Barroso - a querida Glorinha Barroso.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.